Leites e Derivados pode na DIETA LOW CARB?

Tempo de leitura: 11 min

Escrito por Marcelo Wagner
em 10 maio, 2021

Olá, Tanquinho! Olá, Tanquinha! Bem-vindos a mais um vídeo aqui do nosso canal! E no vídeo de hoje nós iremos falar sobre
leite e seus derivados, com relação a uma alimentação, uma dieta low-carb.

Se você segue uma dieta low-carb, já deixe o seu like aqui no vídeo e também se inscreve no nosso canal e aperte o sininho para você
ser avisado quando sair vídeo novo sobre low-carb toda segunda e quinta-feira às 20h00. Neste vídeo a gente vai querer abordar alguns
pontos sobre os laticínios, como os laticínios que são permitidos ou aceitáveis em uma
dieta low-carb;

Leites e Derivados pode na DIETA LOW CARB?

Aqueles que você deveria evitar; nós iremos falar também sobre a
questão do leite desnatado e dos leites vegetais e de outros mamíferos. Então fique com a gente até o final porque
tem muita informação boa aqui nesse vídeo. Então já vamos começar o vídeo entregando
o ouro, entregando a paçoca, entregando o leite para você… o que quer dizer?

A gente vai dar uma lista de laticínios e derivados do leite permitidos em uma low-carb, que as pessoas inserem na alimentação delas
com muito sucesso, mantendo uma dieta baixa em carboidratos. Alguns exemplos comuns são… … coalhada;  creme de leite; iogurte natural; ghee e kefir de leite. Além, é claro, de manteiga; nata; receitas com queijo, como por exemplo, o nosso famoso pão de queijo versão low-carb; proteínas derivadas do leite, como a caseína e o whey protein; e, por fim, é claro, o nosso querido e amado queijo. E o queijo, é claro, nós já fizemos um vídeo completo só para falar do queijo e todas as suas variações porque, com certeza, o queijo é um alimento muito interessante e que pode ser inserido, sim, com sabedoria, em uma dieta low-carb.

Se você quer saber mais sobre ele, nós iremos deixar um link aqui na descrição com esse vídeo completo para você. Legal, nós já falamos alguns itens que podem na low-carb, que são fáceis de encaixar, que podem casar com o estilo de vida mais
baixo em carboidratos. Agora vamos falar então de quais derivados
do leite não podem, quais não vão entrar na sua low-carb, pelo menos na maioria das
vezes, para 90% das pessoas, elas não vão conseguir inserir isso em uma low-carb de
sucesso, bem formulada. Então, nessa categoria nós temos bebidas
lácteas… … que é aquele iogurte falseta do mercado. Temos o cremoso! Que é aquele falso requeijão à base de
óleo vegetal e amido! Não entra! Chocolate ao leite. Na verdade, nós buscamos evitar todos os
chocolates com menos de 70% de cacau.

Eles são mais uma massa de leite e açúcar,
do que chocolate de verdade. Doce de leite
Que é uma delícia, mas não entra. Farinha láctea
Iogurtes adoçados, aquele iogurte grego do mercado, que é cheio de açúcar. Leite condensado
Leite ninho Manteiga misturada com margarina, por conta
da margarina, obviamente Por ser um óleo vegetal. Nós falamos de óleos vegetais em outro vídeo
que vai estar linkado aqui embaixo.

O pão de queijo tradicional porque leva,
muitas vezes, farinha e polvilho O petit suisse, aquele queijo do tipo Danoninho
O Polenguinho, nem tanto pela quantidade de carboidratos, mas sim por ser um queijo altamente
processado E a maioria dos sorvetes tradicionais.

Se você tem curiosidade de sorvete low-carb
e quer ver mais receitas, comenta aqui embaixo #sorvetelowcarb
Então vale lembrar que esses alimentos do segundo grupo que nós acabamos de citar não
são facilmente encaixáveis, digamos assim, em uma dieta low-carb, justamente porque eles
contêm muitos carboidratos.

Já aqueles alimentos do primeiro grupo que
nós citamos são mais fáceis de serem encaixados na low-carb por eles serem alimentos baixos
em carboidratos. Muito legal, nós falamos de muitos derivados
do leite, quais encaixam na low-carb, quais não; mas nós não falamos do próprio leite. O leite é low-carb, Roney? Bom, para responder essa pergunta, vamos antes
começar analisando a informação nutricional do leite. Como você pode ver nas tabelas nutricionais
dos leites que você encontra nos corredores dos supermercados, lá vai constar cerca de
nove a dez gramas de carboidrato por copo, ou seja, a cada 200ml de leite. Então, com isso, muita gente pode se perguntar:
“Tá bom, eu sei que eu não posso tomar um litro de leite por dia porque vai ser bastante
carboidrato, mas e se eu tomar só um pouquinho? E se eu tomar um copo por dia, por exemplo? São só nove, dez gramas de carboidrato…
será que pode?” “Meio copo de manhã são cinco gramas…
será que pode?” Bom, a gente, sinceramente, acredita que adicionar
um pouquinho de leite, se você colocar uma gotinha de leite no seu café para fazer aquele
famoso pingado, por exemplo, não vai botar todos os seus resultados por água abaixo. Especialmente se você está buscando perder
peso, certamente não foi por causa de 50ml de leite ao dia que você chegou nesse ponto
que você está agora. Por outro lado, nós acreditamos também que
em uma dieta low-carb, uma mudança de hábitos para um estilo de vida mais saudável envolve,
sim, você mudar os seus hábitos, você mudar os alimentos que fazem parte da sua rotina
do seu dia-a-dia, especialmente quando, como no caso do leite acrescentado a um pouco de
café, pode ser substituído por opções mais interessantes, como o próprio creme
de leite, ou o leite de coco ou algum outro leite vegetal – leite de amêndoas… – nós
iremos falar deles daqui a pouquinho no vídeo, então continuar com a gente. O ponto é o seguinte: se o seu objetivo é
única e exclusivamente o emagrecimento, então provavelmente adicionar algumas gotas de leite,
50 ml de leite no cafezinho, não vai te fazer mal. Agora, se você está buscando uma mudança
completa de estilo de vida, então pode ser interessante mudar esse tipo de hábito também
e começar a ser low-carb por inteiro, tirando o leite e pondo outras opções como o Guilherme
falou. E quando nós falamos de leite, nós estamos
falando de todos os tipos de leite: integral, desnatado, semidesnatado. Todos eles têm a mesma quantidade de carboidrato
por porção. O que vai variar é a quantidade de gordura. E também o leite em pó, que nada mais é
do que esses outros leites, só que congelados e ralados bem fininhos. Brincadeira! Não é assim que faz leite em pó, gente! Mas enfim, ele continua sendo feito à base
do mesmo leite e aí você também não vai querer porque continua com a mesma quantidade
de carboidratos do leite original. Mas e o leite sem lactose? Já que ele não tem lactose, que é o carboidrato
do leite, então ele não tem carboidrato? Muita calma nessa hora! Antes de responder essa pergunta nós queremos
falar um pouquinho sobre o que é a lactose. Então, em primeiro lugar, nós podemos começar
falando sobre o que é a lactose. A lactose é o açúcar do leite, que é uma
molécula formada pela galactose e pela glicose – nós já iremos entrar mais nesse detalhe
– só que algumas pessoas já se sentem bem, simplesmente por tirar a lactose do seu
dia-a-dia. São aquelas pessoas que são intolerantes
à lactose, muito ou pouco intolerantes; mas várias delas já se sentem melhor de não
ingerirem isso. Exatamente! Esse é mais um motivo interessante para você,
pelo menos por um período, experimentar – se te agrada essa ideia – ficar sem o leite,
porque justamente algumas pessoas são intolerantes à lactose, têm algum tipo de reação quando
ingerem essa substância e elas nem sabem disso antes de experimentarem a ficar 30,
60 dias sem ingerir lactose. Inclusive, uma curiosidade, é que parece
que a intolerância à lactose tem diferentes prevalências dependendo da sua ancestralidade
recente. O que isso quer dizer? Dependendo das suas origens étnicas. Então, por exemplo, populações do norte
da Europa, dos países nórdicos, tendem a lidar melhor com a lactose do que, por exemplo,
populações orientais. É claro que isso é uma coisa que vai variar
de indivíduo para indivíduo, mas nós podemos dizer que em um sistema populacional, nós
conseguimos ver que a ancestralidade recente das pessoas, isto é, essa pegada mais evolutiva
que nós sempre falamos aqui no canal, de pensar em como as pessoas evoluíram, pode
ter, sim, influenciado nisso. Então essa é só mais uma dica legal sobre
o leite, uma curiosidade bacana para você ter em mente quando você pensar: “Talvez
eu não lide bem com o leite. Pode ser a questão da lactose”. Muito legal tudo isso, mas leite sem lactose
é low-carb? Sim ou não? Não. Isso porque nós já falamos que a lactose
é o açúcar do leite. Você pensaria: “Se não tem esse açúcar,
não deve ter nenhum açúcar”. Certo? Errado! Porque como eu disse antes, a lactose é formada
pela galactose e a glicose. E algumas pessoas têm intolerância justamente
à lactose, a molécula inteira, a junção dessas outras duas que eu falei. Na verdade, o que acontece é que essas pessoas
têm a ausência da enzima necessária para digerir a lactose, que é a lactase. Então o que os fabricantes dos leites sem
lactose fazem, geralmente, é adicionar essa enzima no leite e aí a lactose já vem “digeridinha”,
vem em vez de um carboidrato grandão, digamos assim – a lactose – vem os dois menores
que o Roney mencionou: a glicose e a galactose. Porém, os açúcares continuam. A quantidade de açúcar é a mesma. Ela apenas já vem pré-digerida, pré-mastigada
para você. Ou seja, o leite sem lactose não é low-carb. Ele continua tendo a mesma quantidade de carboidratos
do leite normal. A diferença é o formato desses carboidratos,
o que não muda o fato de eles serem carboidratos. Então até agora eu já aprendi que o leite
não é low-carb, que mesmo o leite sem lactose não é low-carb, e agora eu queria saber
de outros tipos de leite, por exemplo, o leite de búfala ou de ovelha, ou de cabra. Esses são low-carb? Esses podem na dieta? Muito provavelmente também não. O que acontece é que eles têm praticamente
a mesma quantidade de carboidrato por porção que o leite de vaca. O que varia um pouco é o perfil aí dos seus
açúcares e das suas proteínas, o que leva algumas pessoas intolerantes à lactose ou
à proteína do leite a optarem o leite de vaca por alguns desses leites de mamíferas. Exatamente. Se você quer consumir leite ou algum derivado
do leite, por exemplo, um queijo de ovelha, um queijo feito à base de leite de ovelha
Ou mussarela de búfala… … por exemplo… aí pode ser que funcione
bem para você. Porém, se você só busca simplesmente reduzir
os açúcares ingeridos, por exemplo, reduzindo o consumo de leite, vai ser interessante também
evitar o consumo de leite de ovelha, de búfala, de cabra, e desses outros animais. Além do leite de outros animais que não
são a vaca, nós também temos o leite de origem vegetal. E aí, esses leites vegetais são low-carb
ou não são? Encaixam na low-carb ou não? Olha, muito provavelmente eles tendem a se
encaixar na low-carb sim. Um grande exemplo que é o aliado de muitas
pessoas que começam a se aventurar na cozinha low-carb é o leite de coco, por exemplo. Ele não tem praticamente nenhum carboidrato
e é basicamente apenas gordura – gorduras boas, saudáveis, aquelas mesmas que todo
mundo que gosta do óleo de coco tende a gostar também. Já o leite a partir de algumas oleaginosas
também é uma opção bem interessante, por exemplo, de castanha-do-Pará, que nós já
ensinamos a fazer aqui no canal; castanha-de-caju; de amêndoas; de avelã; de nozes, enfim,
tem uma infinidade de tipos de leite vegetal que você pode fazer na sua casa. Eles tendem a ter uma quantidade de carboidrato
por porção um pouco menor que a do leite de vaca. Porém, é claro que se você consumir muito
dele, aí não vai adiantar ele ter um pouco menos se você compensar na quantidade ingerida. Então, o que o Roney quis dizer agora é
que além de você se preocupar com qual leite consumir, por exemplo, esses leites vegetais
não têm lactose e não têm caseína ou proteína do leite, no geral, que podem dar
algumas reações para algumas pessoas; eles também podem ter bastante carboidratos se
você consumir muito desses leites Então tomar dois litros de leite de amêndoa
por dia não é a melhor ideia, além de ser bem caro. Provavelmente vai ter mais carboidrato do
que um copinho de leite normal. E um outro aviso quanto a esses leites é
que, apesar de não ser prático, vale muito a pena fazer em casa, porque grande parte
das marcas de leites vegetais que você encontra no mercado já tem muita coisa adicionada,
no sentido de: adoçantes, conservantes, espessantes, às vezes até gorduras vegetais pró-inflamatórios,
como o óleo de girassol. Então você vai querer evitar esse tipo de
coisa, especialmente se você estiver tentando dar uma “limpada” na sua alimentação,
comer coisas menos processadas, que é a proposta aqui do nosso estilo alimentar aqui do Senhor
Tanquinho. E também tem um outro leite muito fácil
de ser encontrado nos mercados, também de origem vegetal, que é o leite de soja. Esse, assim como nós falamos dos leites de
oleaginosas prontos, em caixinha, também tende a ter uma porção de outros ingredientes
indesejados adicionados, até mesmo gorduras vegetais, sem falar do fato de ser feito a
partir da soja, que muitas vezes é a soja transgênica, que não tem muitos benefícios
para a saúde. Pelo contrário. É um tema bastante polêmico – se a soja
é uma opção válida ou não de ser incluída em uma dieta – nós acreditamos que dentro
das leguminosas ela é uma das piores opções e nós não vamos nos estender sobre ela aqui
porque esse aqui é um vídeo sobre o leite. Mas se você quiser saber sobre esse assunto
da soja ou sobre qualquer outro assunto que você tiver dúvida, comenta aqui embaixo
qual é esse assunto, que nós lemos todos os comentários, procuramos responder a todos,
e sempre incluímos um vídeo ou outro de sugestão dos nossos leitores. Por exemplo, aqui do lado nós fizemos um
vídeo sobre cetose. Nós contamos vários segredos sobre a cetose,
várias dicas, curiosidades e erros comuns que a maioria das pessoas não sabe. E nós fizemos porque a galera tinha muita
dúvida. Então a gente se vê em um próximo vídeo. Um forte abraço
Do Senhor Tanquinho

Rate this post

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário


*


*


Seja o primeiro a comentar!

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade