Dieta Low Carb e Diabetes – O que podemos aprender?

Tempo de leitura: 3 min

Escrito por Marcelo Wagner
em 11 maio, 2021

007

Olá bom dia tudo bem?​​ Hoje vamos trazer a tona um assunto bastante delicado, uns contra outros a favor, sobre Dieta Low Carb e Diabetes – O que podemos aprender? 

003
E-boom 500 Receitas LowCarb

Existem duas formas de se tratar o diabetes.

A primeira: não mudar os hábitos ou, tão ruim quanto, manter uma dieta tradicional, repleta daquilo que hoje o seu corpo não consegue mais lidar: os carboidratos.

005

Quando optado por essa forma, a única saída para manter o controle do diabetes é usando remédio.

E digo mais: com a chance de daqui a uns anos acrescentar mais alguns na lista. Por qual motivo?
Veja, se você permanece fazendo a mesma coisa que lhe trouxe até o estado atual, o que o faz acreditar que o seu diabetes não vai continuar piorando?

Remédio controla apenas glicemia, mas a doença já está instalada e causando danos…

A outra maneira é cortar aquilo que hoje te faz mal. Sim, os carboidratos! .

004

Arroz integral, aveia,, feijão, manga, são muito saudáveis… mas hoje, já doente, o seu corpo já não sabe o que fazer isso. O resultado?
Aumento da glicose no sangue.Se você é alérgica à camarão porque insiste em comer? mesmo principio!

Não são dois, três ou quatro estudos científicos que mostram que uma dieta lowcarbb melhora o controle do diabetes… são inúmeros!!!
Estudos randomizados, revisões, metanálises… tem para todos os gostos!

Muitas vezes as pessoas optam por manter os hábitos atuais e usar todo arsenal terapêutico disponível!

Passam a tomar três, quatro, cinco remédios para controlar o diabetes. Não valorizam tanto o futuro da sua saúde.
Nesse momento, pensar financeiramente faz bem.

São 500 reais por mês… 6000 reais por ano economizados.

É deixar de viajar para um resort all-inclusive por 10 dias, todos os anos, para poder comer pão, arroz e macarrão todos os dias.
É não aproveitar o churrasco lowcarb com vinagrete escolhendo a pizza do sábado à noite..

Para acrescentar um dado mais caloroso e baseado na medicina vou trazer um trecho de uma abordagem pela médica, Dra. Erika Paniago Guedes que é Endocrinologista do Departamento de Obesidade da SBD e também Mestre e Doutora em Medicina pela UFRJ que escreveu o seguinte artigo:

Livro E-book 500 receitas Low carb

Dietas chamadas de Low-Carb, onde se restringe a ingesta diária de carboidratos, estão na moda. Nos últimos dias, a mídia vem divulgando várias matérias sobre um estudo publicado recentemente na revista The Lancet, importante na disseminação da informação médica para toda a comunidade científica do mundo, com grande credibilidade e relevância.

Neste estudo, os autores acompanharam, por 25 anos, 15.428 adultos americanos, com idade entre 45-64 anos, e avaliaram o impacto da alimentação (avaliada por questionário alimentar) na mortalidade desses indivíduos. Na mesma publicação, os autores fazem uma revisão de outros artigos, já publicados e que focaram esse mesmo assunto. Assim, os pesquisadores encontraram que a mortalidade foi mais alta em pacientes que consumiam extremos de quantidade diária de carboidratos, ou seja, aqueles que consumiam menos de 40% de carboidratos por dia e nos que consumiam mais de 70% da energia ingerida por dia em carboidratos.

Dietas com baixo teor de carboidratos, onde se aumenta o consumo de proteínas e gorduras de origem vegetal, têm demonstrado benefícios na perda de peso e no tratamento do diabetes. Por isso é importante o cuidado na interpretação de resultados de estudo. Os autores desta publicação do The Lancet alertam para o fato de que, no grupo com baixa ingestão de carboidratos, houve maior consumo de carnes (gado, cordeiro, porco) e gorduras animais; neste grupo, os pacientes também tinham maior peso corporal e maior índice de tabagismo, faziam menos atividade física e tinham mais diabetes, que são clássicos fatores de risco para mortalidade por doenças cardiovasculares.

Os autores concluem o estudo, sugerindo que uma alimentação com menos carboidratos, porém equilibrada com mais gorduras e proteínas vegetais, aliada a medidas para perda de peso e redução do risco cardiometabólico, como exercícios físicos, interrupção do tabagismo e controle do diabetes, pode ser considerada como estratégia para promover o envelhecimento saudável.

São escolhas. Devemos respeitar.
Mas ela deve ser tomada de forma consciente. Pense nisso.

Rate this post
006

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário


*


*


Seja o primeiro a comentar!

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade